O Rio São Francisco

Informações mais importantes:

Rio: São Francisco
Nascente: Serra da Canastra - Minas Gerais
Foz: Oceano Atlântico - entre Sergipe e Alagoas
Comprimento: 2.700 km
Área da bacia: 640.000 km2, ou seja, 64.000.000 ha

Vazões observadas na estação de Traipu (foz): média anual máxima: 5.244 m3/s; máximas mensais, da ordem de 13.743 m3/s, ocorrem em março;média anual; 2.980 m3/s - corresponde a uma descarga média anual de 94 bilhões de m3; média anual mínima: 1.768 m3/s; mínimas mensais, da ordem de 644 m3/s, ocorrem em outubro.

As águas do São Francisco e de seus afluentes apresentam boa potabilidade, demandando, apenas, tratamento convencional para abastecimento humano, embora venham sofrendo descargas pontuais de detritos poluentes. Para irrigação, a água do curso principal é considerada ótima, tendo sido classificada como C1S1, segundo o método do Laboratório de Salinidade do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Esta classificação indica baixa condutividade elétrica (sem perigo de provocar salinização do solo) e baixa relação de absorção de sódio (sem perigo de provocar sodificação do solo).

O Rio segue a direção geral sul-norte até a confluência com o Urucuia, onde inicia um grande arco com direção norte-nordeste até a cidade de Cabrobó (PE), girando, então, para leste e logo depois, para sudeste, até a foz.

O clima do Vale é influenciado por diferentes massas de ar, apresentando baixo índice de nebulosidade e, por conseqüência, uma grande incidência da radiação solar. Em função das elevadas temperaturas médias anuais, da localização geográfica intertropical e da limpidez atmosférica na maior parte do ano, a evapotranspiração potencial é muito alta, sobretudo na parte norte do Vale. Acompanha geograficamente a variação da temperatura, com os maiores valores anuais no Submédio São Francisco, onde algumas estações atingem 2.140 mm, descendo para 1.300 mm na zona do limite norte do Vale e um pouco menos no extremo sul.

O elemento que mais caracteriza o clima do Vale é a pluviosidade. A conformação das isoietas segue de perto a da topografia: de um modo geral, os seus valores diminuem em direção ao leito do Rio e, ao longo deste, de montante para jusante até Pão de Açúcar onde começam a aumentar até a foz. Em todo o Vale há um período seco bem marcado. Os mais altos valores de precipitação anual, da ordem de 1.500 mm, ocorrem nas nascentes do Rio e os mais baixos, cerca de 350 mm, entre Sento Sé e Paulo Afonso.